Archive for janeiro, 2015

Só a Esperança já não basta!

*Por: José Luiz Possato Jr.

Subscrito pela Coordenação do CEBI-RS

Quando ninguém mais imaginava que alguém pudesse superar as asneiras ditas em 2014, Paulo Sant’Ana resolveu, no último domingo do ano, desfiar seu rosário de preconceitos e incitação ao ódio. Quem ainda não teve oportunidade de ler as pérolas desse “respeitável” colunista do jornal Zero Hora (grupo RBS/filial gaúcha da Globo), pode acessá-las aqui.

Durante o ano que passou, o ódio se manifestou de diversas formas. Não bastasse o povo nas ruas, pedindo a volta da ditadura, algumas “celebridades” resolveram nos brindar com comentários extremamente infelizes. Zezé di Camargo culpou as mulheres feias pela traição dos maridos, Levy Fidelix mostrou todo seu conhecimento sobre aparelhos excretores, uma popular (torcedora do Grêmio) chamou o goleiro do Santos de macaco, Jair Bolsonaro resolveu decidir quem merece ou não ser estuprada. Fora o cantor Lobão, caricatura oficial da direita brasileira, cuja simples aparição já é um insulto ao bom senso.

Diferente de todos, porém, que tinham um público-alvo específico, Paulo Sant’Ana resolveu atirar para todos os lados. Sua metralhadora de injúrias atingiu, entre outros, uruguaios, negros, pobres e até mesmo as mulheres. Há muito que os pronunciamentos desse senhor não deveriam ser levados em consideração. Ele é um poço de arrogância e, quando fala de futebol, esconde atrás da paixão de torcedor sua pior característica: a extrema violência, expressa da forma mais irracional e ignorante possível. Porém, dado o alcance da mídia pela qual se expressou, cabe esta reflexão.

Então vejamos… Diante dos avanços sociais e da ótima imagem construída por Pepe Mujica no cenário internacional, o que será exatamente o tal “inferno uruguaio” do qual fala esse confesso apreciador de pêssegos e cassinos? Tal qual o Brasil de Lula, o Uruguai de Mujica tem motivos de sobra para recuperar sua autoestima e manter a cabeça erguida perante a comunidade mundial. Qual é, então, necessariamente a vantagem de Punta ser um lugar reservado somente a argentinos e brasileiros?

E mais… Qual a vantagem de não haver negros, especificamente domésticas e camareiras negras? Além do explícito racismo, fica subentendido o alívio pela ausência de pobres. Até o trânsito flui melhor por conta disso, insinua esse verdadeiro patriarca da crônica gaúcha. Essa declaração gerou tanta revolta que o forçou a publicar um pedido de desculpas. Ora, a emenda saiu pior que o soneto. Resumindo, ele não estava arrependido das sandices que proferiu, mas por ter leitoras e leitores incapazes de compreendê-lo. Puro cinismo e prepotência!

Enfim, em tempos onde a intolerância e o ódio mostram unhas e dentes, urge acirrar os discursos de paz e promover a diversidade, a fraternidade e a solidariedade. A intolerância, o ódio e o medo são as armas dos reacionários, que veem seus explorados melhorarem de vida e, por isso, temem perder suas regalias. Não podemos desanimar! Urge cultivarmos uma Cultura de Paz! Não a paz a qualquer custo, a pax romana, imposta (ainda que “pacificamente”, como a do trânsito de Punta del Este), mas a Paz de Jesus, a Paz de Gandhi, ativa e não-violenta. A Paz que se constrói nas relações de afeto, acolhida e compaixão. Não a paz do “cada um se meta com a própria vida”, mas a paz do “que é bom para todas e para todos”. É hora de enfrentar as trevas! Sem ódio, mas também sem medo!

06/01/2015 at 07:36 Deixe um comentário


FACEBOOK

Cursos Online no CEBI

Estatísticas do site

  • 17,891 hits

Tópicos recentes

Fotos no Flickr

Reunião coord. cebi 05 de Novembro 2011 039

Reunião coord. cebi 05 de Novembro 2011 037

Mais fotos

Twitter CEBI-RS

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.